Multiversos Quânticos; Mundos paralelos, por Joaquim Vitorino

Multiversos Quânticos; Mundos paralelos, por Joaquim Vitorino

Multiversos Quânticos; Mundos Paralelos.

De olhos postos no enxame de estrelas visíveis no centro da nossa Galáxia a“ Via Látea” numa noite escura como breu, tinha a meu lado o meu telescópio Bausch & Lomb de 12 polegadas, e o meu Cão de Raça Akita  OLYMPUS DIGITAL CAMERAque está sempre atento aos meus movimentos.

Tem 6 anos e 65 quilos de peso sendo um animal imponente e de extrema fidelidade, considerado no Japão um símbolo da confiança; é neste país que a raça Akita teve origem, existindo milhares de Estátuas em sua homenagem.

A história de um destes animais deu origem a um filme conhecido em todo o Planeta como “Amigos para Sempre” com Richard Gere no protagonista; mas é também conhecido por supostamente ser o primeiro animal a estabelecer há 30.000 anos uma parceria com o Homem que lhe dava proteção, e em troca recebia deste a prestimosa ajuda no farejo da caça, contribuindo assim para uma melhor alimentação dos filhos recém-nascidos, dando-lhe uma garantia de sobrevivência acrescida.

Depois de observar duas ou três constelações, fixei-me na passagem rápida de um Satélite, não me dando tempo de fixar as coordenadas, mas preparei-me para a próxima passagem aproximadamente 87 minutos.

Um Satélite desloca-se a uma velocidade de aproximadamente 8 quilómetros por segundo; se passar em Madrid um minuto depois pode ser visto a sobrevoar Lisboa; muitos deles são geoestacionários, enquanto outros foram colocados a longas distâncias para fugir à poluição terrestre, como é o caso do Chandra que se encontra a 1/3 da distância da Terra á Lua. Desde o lançamento do primeiro Satélite o Sputnik I a 4 de Outubro de 1957, 3 anos e meio antes do primeiro Humano orbitar a Terra a 12 de Abril de 1961 o feito deve-se a Yuri Gagarin na nave Vostok I.

Até aos dias de hoje mais de 5000 satélites foram lançados; muitos deles são desativados, perdem as orbitas “chocam” com a atmosfera terrestre, onde são imediatamente incinerados pelo atrito. Cerca de 2900 satélites científicos, civis e militares orbitam a terra.

O feito de Yuri Gagarin, foi exibição de força militar da antiga União Soviética face ao poderio dos EUA; que numa corrida sem procedentes colocou o primeiro Homem na Lua “Neil Armstrong” a 20 de julho de 1969 na missão Apollo II.

Yuri Gagarin e Neil Armstrong deram o tiro de partida para a mais incrível aventura da espécie Humana, numa fantástica Epopeia que acaba de ter início, numa escalada que ainda está longe da nossa imaginação, e que provavelmente será um caso muito singular na nossa Galáxia; uma das dezenas de milhões existentes.

Tudo o que fizemos até ao presente, comparado com o esforço humano para a sobrevivência da nossa espécie é absolutamente irrelevante.

Antes de ter início a era Espacial no Século XX, já os Cientistas, Filósofos, Teólogos e Pensadores de todas as religiões e credos, se questionaram se não coabitamos com mundos paralelos.

Um dia teremos que deixar para trás a “Nossa Casa Mãe”; todas as religiões e credos, se têm debruçado sobre a possível existência de Mundos paralelos; não existindo um único humano, que uma vez na sua vida não se tenha questionado se haverá um outro mundo paralelo ao nosso; como será o Céu por exemplo.

Quando pensamos na vastidão do Cosmos, damos pela incrível insignificância e pequenez deste Planeta que habitamos; e ocorre um pensamento terrível; não obstante o avanço tecnológico conseguido quase que por magia nos últimos 130 anos, nós Humanos estamos a dezenas de milhares ou talvez milhões de anos, de nos podermos libertar desta prisão de Alta Segurança que é o nosso Habitat a Terra.

Muitos Cientistas estão a fazer um grande esforço, a estudar a probabilidade de termos que abandonar a Terra numa emergência; dar o Salto para as Estrelas para salvarmos a espécie Humana será uma miragem nos próximos 5.000 anos; porque não se trata de atingir uma Estrela, será necessário que ela “albergue” um Planeta muito semelhante ao nosso; que numa zona periférica de 15 mil anos-luz (a luz viaja a 300.000 quilómetros por segundo) meio caminho do centro da Galáxia, será uma probabilidade muito remota.

Mundo paralelo Mas a Ciência não dorme, e o Homem sobressaiu da evolução dotado de uma inteligência extraordinária, com invulgar excepcionalidade de recursos; quem sabe se um dia, ao sentirmos que estamos ameaçados de extinção, não nos possamos refugiar em Mundos paralelos.

Mas para chegarmos a esse nível, muito terá que mudar o comportamento humano; para que “Esses Portais” nos possam ser abertos. 

 

 

*Joaquim Vitorino, Sub-Director do Jornal de Vila de ReiSAMSUNG

Jornalista    –  Astrónomo Amador

Vermelha    –    Cadaval

 

Share