Uma visita de perigo

Uma visita de perigo

A NASA publicou  imagens raras da aproximação à terra de um perigo que recentemente nos visitou, e que se junta a muitos outros que “vagueiam errantes” no nosso Sistema Solar. ImpactoCratera do ArizonaJ Vitorino astrónomo

O Asteróide YU55 cruzou-se com a Terra na passada quarta-feira a apenas 325 mil quilómetros do nosso planeta, uma distância que não representou qualquer perigo, mas se fosse captado pela orbita terrestre, ficaria mais próximo de nós que o nosso satélite natural a Lua.
O YU55 mede cerca de 400 metros de diâmetro e a sua aproximação foi visível da costa Leste dos Estados Unidos.
Entre os Planetas Marte e Júpiter, existe nesta vasta área numa equivalência à distância do Sol a Marte, milhares de corpos que se movem nesta “Cintura de Asteroides” que resultou de uma provável desintegração de um Planeta de grandes dimensões do qual resultaria a formação da nossa Lua, quando da turbulenta formação do nosso Sistema Solar há 5.000 milhões de anos, e que seria capturada pela Terra 1000 milhões de anos mais tarde quando da formação desta.
O perigo passou, e na eventualidade de ter colidido com a Lua também não seria muito relevante; mas para o caso de  nos ter atingindo  seria bem diferente; a exemplo, um Asteroide com estas dimensões que colidisse com a Terra chegaria até nós com uma grande parte da sua massa.
Os efeitos seriam devastadores se caísse na proximidade de uma grande Metrópole, ou no meio de um Oceano onde provocaria uma enorme onda com centenas de metros de altura que arrasaria centenas de Cidades costeiras.
Uma defesa nuclear contra este “Intruso” não estaria fora de questão para o caso da sua trajetória fosse os Oceanos ou  de grande concentração habitacional.
Os humanos não têm a precessão dos perigos contínuos a que a Terra está exposta porque os encaram na perspetiva do tempo terrestre; mas se for visto do tempo Universal, eles são constantes e a um ritmo assustador.
A Cratera do Arizona ( foto acima ) deu-se há cerca de 120.000.
O meteorito que provocou este buraco com 1.200 metros de diâmetro por uns 500 de profundidade chegou ao solo com 50 metros de diâmetro.
Se o YU55 perdesse 70% da seu volume ao entrar na nossa atmosfera, ainda chegaria ao solo terrestre com mais de dobro do meteorito do Arizona, provocando enormes estragos se o impacto se desse num Continente como o Europeu ou Asiático com um saldo de centenas de milhões de vitimas.
* J. Vitorino
Jornalista e Astrónomo Amador
Share