• Home »
  • Cultura »
  • Casa da Cultura da Sertã recebeu sessão “O Futuro da Sertã – Pensar e Agir”
Casa da Cultura da Sertã recebeu sessão “O Futuro da Sertã – Pensar e Agir”

Casa da Cultura da Sertã recebeu sessão “O Futuro da Sertã – Pensar e Agir”

Casa da Cultura da Sertã recebeu sessão “O Futuro da Sertã – Pensar e Agir”

 

No dia 19 de Fevereiro, às 21 horas, a Casa da Cultura da Sertã acolheu uma sessão de participação pública do Plano Estratégico Municipal da Sertã intitulada “O Futuro da Sertã: Pensar e Agir” dirigida ao público em geral, promovida pelo Município da Sertã e pela Equipa Técnica da Universidade de Aveiro que está a elaborar o plano.

Durante a tarde, foi realizada uma sessão semelhante dirigida a todos os funcionários da Câmara Municipal.

 

José Farinha Nunes, Presidente da Câmara Municipal da Sertã sublinhou a importância deste tipo de sessões que permitem “refletir exaustivamente os problemas que afetam o concelho da Sertã, para que possamos encontrar as respetivas soluções.” Para a reflexão conjunta foi distribuído um questionário a que a plateia respondeu individualmente e, em seguida, formaram grupos de trabalho e responderam ao mesmo em conjunto.

Aberta a fase de participação, foi convidado o jornalista Rui Lopes para moderar a partilha de ideias que incidiram em diversas áreas tais como emprego, reabilitação urbana, floresta, turismo e concertação política.

 

Foram apontadas diversas sugestões desde a criação de uma marca ligada ao Turismo e aos produtos endógenos (aguardente, medronho, mel, madeira de pinho), passando pela necessidade de criação de emprego e de condições de instalação de emprego e fixação de empresas, reabilitação do património histórico e edificado, qualidade na saúde e no seu acesso e ainda necessidade de definir uma visão política mais coerente e envolver os cidadãos nas decisões e iniciativas.

Foi igualmente abordada a necessidade de reabilitar a EN238 como eixo de ligação à sede da Comunidade Intermunicipal, assim como questões relacionadas com infraestruturas básicas (saneamento) e a necessidade de políticas de incentivos para quem quer recuperar o edificado, com objetivo de fixar-se no território, e incentivos à natalidade.

Foi também focada a necessidade de criar uma identidade, o “gostar de ser sertaginense”, dar a conhecer à população o seu território e as suas tradições, e a criação de uma plataforma que agregasse tudo o que esteja relacionado com o Concelho da Sertã, desde eventos, produtos, empresas, comércio, serviços e associações.

 

A próxima fase de participação do Plano Estratégico Municipal da Sertã decorrerá entre março e abril, onde os sertaginenses serão novamente chamados a participar, hierarquizando as áreas e projetos prioritários para o território, definidos após a junção dos vários contributos.

 

Share