Milhares de pessoas percorreram os Caminhos do Médio Tejo

Milhares de pessoas percorreram os Caminhos do Médio Tejo

Milhares de pessoas percorreram os Caminhos do Médio Tejo

Caminhos, o novo projecto de programação em rede, colocou o Médio Tejo na rota do turismo cultural. De 11 a 16 de Abril de 2017, os cinco dos municípios associados ao primeiro Caminhos do Ferro, Abrantes, Entroncamento, Mação, Tomar e Vila Nova da Barquinha, receberam milhares de pessoas para usufruírem dos espectáculos e percursos pedestres programados.

Idealizada para ligar pessoas, cultura e património, esta iniciativa confirmou a sua importância com o crescente envolvimento da população ao longo da semana.

 

Uma nova forma de vivenciar esta região e repensar os seus espaços, a titulo de exemplo, o antigo bairro ferroviário do Entroncamento, Bairro Camões, foi palco para o Teatro do Ferro, a zona ribeirinha de Vila Nova Barquinha cruzou as memórias dos Plátanos e o “Baile dos Candeeiros” iluminou o Castelo de Almourol.

Os concertos realizaram-se na estação do Entroncamento com os Xaral´s Dixie e na Praça Raimundo José Soares Mendes em Abrantes com o grupo de música tradicional portuguesa Galandum Galundaina.

Este ciclo fechou com um grande concerto do fadista Ricardo Ribeiro, na Praça da República em  Tomar.

 

As marcas deste projecto não se extinguem nas novas abordagens aos espaços. Realizaram-se várias residências artísticas para a elaboração de percursos pedestres únicos que foram vivenciados nestes dias e agora vão tornar-se num ativo para o turismo da região. São os “projetos criadores de percursos” que proporcionam a habitantes e visitantes novos modos de caminhar pelo Médio Tejo.

Caminhos foi concebido a pensar nos turistas e visitantes da região, mas também nos seus habitantes, onde os projetos comunitários de criação assumem particular relevância.

 

O espetáculo “Andar”, da coreógrafa Aldara Bizarro, envolveu bailarinos amadores dos cinco municípios; juntos, criaram um espectáculo que reúne a poesia de Ana Hatherly e o movimento de andar pelas ruas, que fica de herança para o próximo Caminhos, o da Água.

As marcas deste projecto não se extinguem nas novas abordagens aos espaços. Realizaram-se várias residências artísticas para a elaboração de percursos pedestres únicos que foram vivenciados nestes dias e agora vão tornar-se num ativo para o turismo da região. São os “projetos criadores de percursos” que proporcionam a habitantes e visitantes novos modos de caminhar pelo Médio Tejo.

Caminhos foi concebido a pensar nos turistas e visitantes da região, mas também nos seus habitantes, onde os projetos comunitários de criação assumem particular relevância. O espetáculo “Andar”, da coreógrafa Aldara Bizarro, envolveu bailarinos amadores dos cinco municípios; juntos, criaram um espectáculo que reúne a poesia de Ana Hatherly e o movimento de andar pelas ruas, que fica de herança para o próximo Caminhos, o da Água.

Share