A forja da vida, Estrelas de neutrões, por Joaquim Vitorino

A forja da vida, Estrelas de neutrões, por Joaquim Vitorino

A Forja da Vida, Estrelas de Neutrões

De onde veio a maioria dos elementos essenciais para a vida na Terra?

Para esta questão, a ciência só encontra uma resposta; a essência da vida, foi forjada dentro das fornalhas das Estrelas de neutrões, que depois de atingirem dezenas de milhões de graus celsius, explodem e transformam-se em Supernovas; expelindo a maior parte da matéria, enquanto a remanescente se contrai até ao ponto de não deixar passar a luz; passando ao estado de um Buraco Negro.

A Cassiopeia A

Os Astrónomos e Astrofísicos, estudam há dezenas de anos a origem dos elementos responsáveis pela vida na Terra; concentrando uma especial atenção nas Estrelas de neutrões mais periféricas do nosso sistema Solar, e a conclusão a que chegaram foi surpreendente; as Supernovas podem ter desempenhado um papel fundamental na origem da vida espalhada por toda a Galáxia, e seguramente em todo o Universo.

Devido ao seu estado evolutivo único, a Nebulosa Cassiopeia A (uma Estrela que explodiu) é uma das mais intensamente estudadas, em busca desses remanescentes de supernova.

Uma nova imagem do Observatório de raios-X  Chandra, a NASA mostra a localização de diferentes elementos nos restos da explosão: silício vermelho, enxofre amarelo, cálcio verde e ferro roxo, foram captados pelo Chandra com intervalos de energia estreitos; permitindo a criação de mapas de localização onde a onda da explosão é vista como um anel exterior azul.

Os telescópios de raios-X como é o caso do Chandra, são para estudar remanescentes de supernovas e os elementos que produzem; onde as temperaturas geradas são extremamente elevadas, atingindo dezenas de milhões de graus; mantendo as temperaturas mesmo milhares de anos após a explosão da Estrela.

Isso significa, que os remanescentes brilham muito mais em comprimentos de raios X; sendo a observação indetetável com telescópios refletores.

Os dados de Chandra X, que é o mais distante e famoso Radiotelescópio em orbita; indicam que a Supernova Cassiopeia A produziu quantidades prodigiosas de ingredientes cósmicos chave para o desenvolvimento da vida, expelindo cerca de 10 mil massas terrestres de enxofre, e cerca de 20 mil massas terrestres de silício.

Quanto ao ferro que esta Estrela deixou escapar quando explodiu, tem cerca de 70.000 vezes o da Terra, e um milhão de massas terrestres de oxigénio; sendo o total dos elementos ejetados para o espaço, equivalente a cerca de três vezes a massa do Sol.

Fusão nuclear

Para além dos elementos mencionados, o espectro eletromagnético do Chandra X detetou e existência de carbono, nitrogénio, fósforo, hidrogénio e oxigénio o que significa, que estão reunidos todos os elementos necessários para produzir DNA; concluindo que a molécula que transporta as informações genéticas, foram encontradas em Cassiopeia A.

Esta estrela que chegou a ter 15 vezes a massa Solar sofreu duas explosões titânicas; na primeira que ocorreu há vários milhões de anos, teria perdido cerca de 65% da sua massa; a segunda explosão terá acontecido no ano de 1680.

O Observatório Chandra X foi lançado em 1999, o ano em que começou a observar a Cassiopeia A, e os dados que nos transmitiu foram surpreendentes; os elementos base da vida podem ter sido forjados no interior das Estrelas mais quentes, e depois expelidos pelas Supernovas para o Espaço onde podem ao fim de biliões de anos, encontrar um Planeta que os desenvolverá como aconteceu aqui na Terra.

Joaquim Vitorino, Director do Jornal de Vila de Rei

* Joaquim Vitorino, Director

Astrónomo Amador

 

 

 

Share