A máquina inteligente, será a grande ameaça humana

A máquina inteligente, será a grande ameaça humana

A máquina inteligente, será a grande ameaça Humana
Sem que nos tenhamos apercebido, a primeira fase da revolução tecnológica começou no início do último
quarto do século XX, mas só se sentiram as repercussões, quando muitos dos empregos começaram a ser
assumidos por computadores, reduzindo drasticamente a actividade do homem na contabilidade das
empresas e no sector público.
Os computadores entraram muito rapidamente nas nossas vidas; e aquilo que de início foi aceite como
uma curiosidade, passou a imprescindível no processamento de dados e outras tarefas, criando uma
incomodidade generalizada de alerta, de que o aumento das máquinas iria deixar um caos na oferta de
trabalho; privilegiando apenas aqueles necessários à manipulação da máquina.
Há menos de uma década, que a universidade de Oxford sugeriu que nos próximos 20 anos cerca de 50
por cento dos empregos correrão o risco de serem substituídos por computadores e algoritmos.
Os computadores da última geração, estão a ultrapassar muito rapidamente as restrições dos anteriores,
que só podiam ser programados para fazer trabalhos codificados, enquanto os actuais estão preparados
para actividades, que nunca tínhamos pensado antes que pudessem vir a ser automatizadas.
Para minimizar os estragos, é urgente que o combate em defesa do posto de trabalho comece sem demora
para acalmar algumas previsões mais pessimistas; passando pelo ensino escolar de base ao nível
universitário onde tudo se vai jogar, nos domínios da investigação, inovação tecnológica, produção do
produto e colocação nos mercados exteriores.
Os países tudo vão fazer, para não ficarem para trás no mundo de magia que vamos ter pela frente nos
próximos 50 anos; onde alguns deles já partem com um atraso de 20 anos, se tivermos como referência
alguns países asiáticos como a China por exemplo.
A Europa e também os EUA, têm que descolar do conformismo histórico das grandes realizações em
todos os campos da ciência e inovação, para enfrentar o boom asiático e indiano que estão em incrível
crescimento em áreas que há duas décadas lhes estavam vedadas.
Mais do que nunca temos pela frente um futuro mais matizado, no qual as habilidades únicas dos
humanos serão ainda mais valorizadas do que hoje, porque os mercados de concorrência assim o vão determinar.
Isso significa que toda a vocação política dos países desenvolvidos, não terão como prioridade a criação de
empregos; em vez disso, terão que garantir que as pessoas estejam equipadas de conhecimento para
compartilhar o futuro.
Desde a revolução industrial há 250 anos que os avanços tecnológicos sempre levaram à destruição do
trabalho, mas os novos avanços foram sempre uma garantia para que novos empregos fossem criados;
sendo agora uma situação muito diferente, porque a competição é entre homens e máquinas.
Nesta primeira fase, pode parecer que não há evidências claras de que isso será diferente do que foi
antes, e,até acreditamos que novos empregos vão surgir do nada; mas é um erro tremendo pensar assim,
porque desleixa o futuro e a capacidade que cada um terá para o enfrentar.
Esta questão, já está a ser tratada nos centros de investigação dos países asiáticos como é o caso da China,
onde a formação obedece a uma regra simples; são as universidades que escolhem quem tem a melhor
vocação para determinadas áreas, remetendo para ocupações menores quem não tem os requisitos
exigíveis no mercado de trabalho, em que de um lado está um humano e do outro a máquina inteligente.
As fábricas no futuro vão depender da automação e da inteligência artificial, onde as tarefas humanas
serão focadas na vigilância e produção; até que chegará o “timing” de ser a própria máquina a assumir
esse papel.

Então; de nada valerá aos humanos terem adquirido novos conhecimentos, porque a máquina

inteligente está capacitada para o fazer muito mais rápido e melhor; para além de prestar actividade
contínua 24 horas por dia e sem se queixar, independentemente das condições adversas de trabalho a que está sujeita.

A inteligência artificial; irá alterar todo o panorama consensual que até agora foi exclusivo da criatividade
humana, para dar lugar a um novo tipo de alfabetização baseada em algoritmos; e embora o futuro do
trabalho possa parecer seguro para a classe profissional qualificada, não o será para o trabalho que carece
de reciclagem; porque muitos dos trabalhadores mais velhos, nunca conseguirão superar essas transições.
Coloca-se uma questão pertinente; porque é que os humanos não desactivam a máquina, para não
terem que competir com ela e a resposta é simples.

É que nós humanos já estamos dependentes dela.

  • Joaquim Vitorino, Director

 

Share